quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Campanha "Bebê não é brinquedo"

Bebê não é brinquedo

Tudo tem seu tempo... proteja-se e evite uma gravidez precoce.

Essa é a nossa campanha! Se você quer saber mais coisas, visite o auditório no hotel Parque dos Coqueiros no dia 03/10/2009, onde haverá uma palestra sobre esse tema com os idealizadores do projeto e uma participação surpresa. Venha conferir!


Doenças Sexualmente Transmissíveis



Quando você não utiliza nenhum modo de prevenção durante e após a relação sexual, duas coisas podem acontecer: a mulher ficar grávido e ambos contraírem as famosas DST (doenças sexualmente transmissíveis). Isso para um adolescente séria terrível, por isso incentivamos a prática do sexo seguro (sexo sem o risco de ser contaminado ou contaminar o (a) seu (sua) parceiro (a) com doenças sexualmente transmissíveis). São diversas essas doenças, que podem levar a pessoa inclusive a morte. Então vamos dar alguns exemplos.

1. Doenças essencialmente transmitidas por contágio sexual:
- Sífilis• Gonorréia• Cancro mole• Linfogranuloma venéreo
2. Doenças freqüentemente transmitidas por contágio sexual:
- Donovanose• Uretrite não-gonocócica• Herpes simples genital• Condiloma acuminado• Candidíase genital• Fitiríase• Hepatite B
3.Doenças eventualmente transmitidas por contágio sexual:
- Molusco contagioso• Pediculose• Escabiose• Shigelose• Amebíase

domingo, 27 de setembro de 2009

Métodos anticoncepcionais


São diversas formas que os adolescentes possuem para se prevenir de uma gravidez indesejada (até mesmo de doenças, como a AIDS). O acesso ao longo dos anos está melhorando cada vez mais, facilitando essa prevenção. Os jovens devem ter consciência e se proteger, sempre pensando no melhor para o futuro de suas vidas. Os mais conhecidos métodos são: a camisinha (masculina e feminina); as pílulas anticoncepcionais; o DIU; o diafragma; os espermicidas; a tabelinha; a ligadura de trompas e a vasectomia. O mais “famoso” é a camisinha masculina, facilmente encontrada e muitas vezes distribuída pelo governo. Então, cuide-se e proteja-se! Essa é uma dica do nosso blog.

Gravidez na adolescência



O que fazer quando você é apenas uma adolescente (em parte uma criança) e descobre que está grávida? E quanto ao seu parceiro? E sua família, amigos? E o próprio bebê? E quanto ao meu futuro? Sim, muitas perguntas vêm à mente de uma adolescente que descobre que está grávida. A foto acima demonstra muito bem esse sentimento, que mistura medo e angústia. É preciso manter a calma, conversar bem com os pais e tomar uma decisão. O aborto não é a melhor opção, mas uma jovem (entre 14 e 17 anos) não pensa em ter um filho tão cedo. Essa gravidez envolve muito mais do que pensamos: envolve problemas físicos, emocionais, sociais, entre outros. É importante criar consciência, evitar ao máximo que isso acontece. A fase da adolescência é única, em que vivemos novas aventuras e enfrentamos problemas diferentes. O futuro espera novas emoções, realizações e diversas outras oportunidades, em que uma gravidez indesejada interfira de forma drástica nisso. Viva a adolescência de forma intensa, mas sempre com proteção e responsabilidade. Essa é a palavra mais importante nessa fase da vida.

Diálogo é a solução


Isso mesmo, a solução para se evitar a gravidez na adolescência é o dialogo, principalmente com os pais. Havendo diálogo, o adolescente pode conhecer os prejuízos de uma relação sem proteção pode causar, as doenças que podem ser contraídas e diversas outras coisas. É preciso escutar e ser escutado, gerando assim um diálogo produto e harmonioso. Às vezes há vergonha de conversar sobre esses assuntos com a família (tanto por parte dos pais tanto por parte dos filhos). O mais causador da gravidez precoce é justamente a falta de diálogo. Além dos pais, converse com professores ou coordenadores que tenha certa afinidade, procure seus amigos mais próximos e então, mantenha sempre um diálogo ativo sobre esse tema que hoje em dia é muito discutido.

Seria o aborto a melhor opção?



Quando um adolescente fica grávida, a primeira alternativa que pensa é no aborto (interrupção da gravidez pela morte do feto ou embrião, junto com os anexos ovulares. Ele pode ser espontâneo ou provocado). É o jeito mais rápido para eles, mas não o mais correto. Gera muitas discussões e polêmicas. Quando o aborto é "provocado", é feito por sucção ou aspiração; a dilatação e curetagem; a dilatação e expulsão e injeção de soluções salinas. Já o aborto "espontâneo" ou "involuntário" ou até mesmo "falso parto" ocorre principalmente nos 3 primeiros meses da gravidez, por conta de distúrbios de origem genética. No brasil, o aborto não é permitido, apenas em casos de estupro, por exemplo. Dessa forma, o aborto é ilegal e não recomendado. Quando você faz isso, está tirando a vida de uma pessoa inocente. Diga NÃO ao aborto!

Gráfico sobre o número de abortos:


Qual o papel dos meios de comunicação? [3]



Outro filme que trata sobre a gravidez na adolescência é o documentário “Meninas”, de Sandra Werneck. Ele mostra como é a vida algumas meninas de classe baixa, moradoras de favela após engravidar precocemente. Elas não têm acesso aos meios de prevenção, então tem relações sem nenhum tipo de proteção. É uma realidade diferente, muito sofrida. No final, todas as garotas têm o filho apesar da dificuldade. Essa prática é, infelizmente, muito comum nas favelas brasileiras. Em quase nenhum momento, se pensa no aborto. A vida dessas meninas é muito, mas muito diferente.


video

sábado, 26 de setembro de 2009

Qual o papel dos meios de comunicação? [2]




Vamos começar falando da importância dos meios de comunicação (TV, internet, etc.). A TV é um importante meio para se prevenir da gravidez na adolescência. Diversos programas, novelas e outros tipos de programas são assistidos por milhares de tele espectadores, que seguem as ideias mostradas pelos atores. Na internet, dezenas sites mostram as formas de prevenção, depoimentos de pessoas e outras coisas interessantíssimas. Agora, um grande exemplo de retratação da gravidez na adolescência é o filme Juno. Nele, uma garota engravida e não sabe o que fazer. Ela vai em uma clínica de aborto, pensa em ter o filho, mas no final decidi doar a criança para um casal que quer ter um filho. Essa prática não é muito comum no Brasil, mas no EUA. É mais uma forma de mostrar as consequências de uma gravidez precoce.



video

Qual o papel dos meios de comunicação?




Hoje em dia, a gravidez na adolescência é discutida em diversos meios de comunicação. Um exemplo disso é o livro "Grávidas ao 14?", de Guila Azevedo. Ele fala sobre um problema que atingir milhares de adolescentes em todo o Brasil: a gravidez precoce e indesejada. A história é sobre Ana, uma adolescente comum que namora Ricardo (amigo do seu irmão, Diego). Depois da primeira relação sexual, sem nenhum tipo de prevenção, Ana descobre que está grávida. A vida dela (tanto fisicamente, como psicologicamente), de Ricardo e de todos ao seu redor muda após isso. Entra em discussão entre ter o filho ou abortá-lo: depois de várias discussões, choros e tudo mais, Ana opta por ter seu filho. Ricardo se muda, mas promete voltar para viver com Ana e seu filho.
Essa é uma bela história, que retrata o drama, as dificuldades e que as imaturidades de um adolescente podem trazem grandes problemas para o futuro. Então, tenha consciência e proteja-se!